A Única Esperança


11. Conclusão

Viver é avançar. Avançar é aprender. E aprender é adentrar águas profundas e desconhecidas. O ser humano, instintivamente, teme o desconhecido. É mais cômodo navegar perto da praia. Talvez por isso a aprendizagem seja uma experiência difícil e dolorosa.

O livro que você acaba de ler não é a exposição completa de relevantes temas bíblicos. Cada capítulo é apenas o fio de uma meada que precisa ser desenvolvida até o final. A Bíblia é como uma mina de diamantes. À medida que você avança no estudo, descobre pedras preciosas. Uma mais extraordinária do que a outra.

O propósito da Bíblia não é informar. É transformar. Ninguém lê a Bíblia e permanece indiferente. Sua leitura provoca reações variadas e diversas. Ao longo da história, foi amada e rejeitada, aprovada e criticada.

A maravilha da Bíblia é que não se perde nos meandros das teorias e de conceitos. Seus ensinamentos saem da simples filosofia e chegam aos detalhes da vida diária. Ela ensina a viver, a lidar com os dramas e conflitos que o dia a dia apresenta.

Foi o que aconteceu na vida das pessoas cujas histórias foram apresentadas neste livro. E é também o que pode acontecer na sua experiência se, despojado de preconceitos, você continuar investigando os temas apaixonantes que a Bíblia traz.